domingo, 17 de março de 2013

Eros Impuro: monólogo forte e preciso


Por Calila das Mercês, de Salvador
Fotos: Sergio Martins



“Aqui, leia isso, escreveram que sou um porco sujo, me lambuzo de sexo para pintar, um Eros Impuro, pornográfico, fora da lei, um erótico obsceno e orgiástico, que bebe os modelos em largos goles de vinho... (gargalhada) Eu só mostro o torso nu de um homem. Mostro só essa parte do corpo de um homem que corre em minhas lembranças. O resto é ausência que se preenche na cabeça doente de cada um.” 
Esta é uma fala do monólogo forte e preciso do Andrei, personagem interpretado pelo Jones de Abreu em Eros Impuro. A peça escrita e dirigida por Sérgio Maggio esteve em cartaz até ontem no Teatro Sesc Senac Pelourinho.

O ator e artista plástico Jones de Abreu reúne seus dois ofícios em um só trabalho. Tudo começou quando ele ainda dava aulas de arte para adolescentes e buscava um jeito de abordar a nudez de forma apropriada para a idade dos alunos, para que fosse educativo sem ser vulgar. Jones resolveu então pesquisar sobre o erotismo. Durante o processo, ele criou o torso nu de um homem, que é apresentado durante a peça. E dá vida, na pele do pintor Andrei, a esse homem nu e sem face no monólogo Eros impuro.


Lucidez e loucura. Dor e complexidade. Paranoias e lembranças. A peça mostra um tema importante para a sociedade que é o abuso sexual. Eros (Andrei) é atormentado por uma imagem de um homem desde a infância. Quando criança, ele foi abusado sexualmente e busca a libertação deste ato através da arte. Porém, ele é julgado, sua obra é vista como suja, pornográfica e imoral. A sociedade não é capaz de compreender o erótico e ele vive numa situação complicada, sente-se acuado.

No final da peça, o ator, que foi muito aplaudido, faz agradecimentos às pessoas que participaram da construção do espetáculo, ao Prêmio Myriam Muniz, e termina a fala com um apelo sobre a importância de falar sobre estes assuntos. “Gente, não fiquemos calados, para que casos como este, que apresentei, não aconteçam! Disque 100”, completa. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário