sábado, 6 de abril de 2013

Lollapalooza: Música para Lavar a Alma

Por Raissa Lennon,
enviada especial a São Paulo

A impressão é que São Paulo era a capital do rock’n roll no último fim de semana de março. A cidade estava praticamente vazia por conta do feriado de Páscoa, sobrando apenas os roqueiros que esperavam o festival Lollapalooza começar. A segunda edição do evento no país aconteceu entre os dias 29 e 31, no Jockey Club.  A expectativa era grande, pois a programação contemplava em torno de 60 atrações, com mais de 30 horas de música, três palcos principais, roda gigante, espaço kids, entre outros ambientes.  

No primeiro dia, 29, algumas pessoas foram prejudicadas com as longas filas para comprar ingressos ou para trocar os passaportes comprados na internet. Por conta disso, muitos perderam as apresentações do The Temper Trap, The Flaming Lips, Cake e Crystal Castles.  No mesmo dia tocaram também os brasileiros do Copacabana Club, Tokyo Savannah e Agridoce, projeto paralelo da cantora Pitty com o guitarrista de sua banda, Martin. Quem ainda conseguiu entrar a tempo pôde assistir a atração principal da noite, o The Killers. Eles apresentaram sucessos como “Mr. Brightside”, “Spaceman”, “Somebody Told me” e outros hits.

Crystal Castles
(foto: Marcelo Mattina)

Como o próprio idealizador do festival, o americano Perry Farrell, gosta de dizer, o Lollapallooza é um evento que privilegia muita coisa nova e também dá uma atenção especial ao rap e à música eletrônica. No sábado, dia 30, sons como Toro Y Moi, Tomahawk e Two Door Cinema Club conquistaram a graça do público.

Franz Ferdinand
(foto: Camila de Almeida Santos)

No entanto, três bandas foram as mais esperadas do dia: Franz Ferdinand, Queen Of The Stone Age e A Perfect Circle, que tocaram hits e mostraram um performance impecável em cima do palco. O Franz Ferdinand, liderado pelo vocalista Alex Kapranos, colocou muita gente para dançar ao som de "Take Me Out", "Walk Away", "The Dark of the Matinee".

Outra banda muito aguardada pelos fãs foi The Black Keys, formada pelo vocalista e guitarrista Dan Auerbach e pelo baterista e produtor Patrick Carney. Eles foram a última banda a se apresentar no palco Cidade Jardim, ao mesmo tempo em que Steve Aoki tocava no palco Butantã. The Black Keys não agradou tanto como os outros grupos, mesmo com os hits “Little Black Submarines”, “Lonely Boy", “Hell Of A Seasons” parecia que o palco estava grande demais para eles. Além de estarem visivelmente cansados na apresentação.

Foto: Deve Mead

Já as bandas nacionais do segundo dia do Lollapalooza, como Graforréia Xilarmônica, Ludov e Criolo, não deixaram a desejar. Criolo foi o que mais surpreendeu com seu rap político e mensagens de paz e amor. Entre frases como “Fora Feliciano!” e “Muita energia para todas as pessoas que estão necessitadas de amor”, o rapper paulistano apresentou músicas do seu disco Nó na Orelha. Entre elas "Não existe amor em SP", "Sucrilhos", "Samba sambei" e "Demorô", sempre acompanhado por uma competente banda de metais e percussão.

A banda Pearl Jam era a mais esperada pelo público, era fácil perceber isso pela multidão que compareceu ao seu show no dia 31, a única data que teve todos os 60 mil ingressos esgotados. O grupo liderado por Eddie Vedder não decepcionou os fãs que ficaram horas aguardando na arena do palco Cidade Jardim. Quando a banda começou a tocar as primeiras notas de “Elderly Woman Behind”, era possível notar a avalanche de hits que viriam dali para frente. Entre eles “Black”, “Jeremy”, “Daughter”, “Nothingman”, “Alive”, “Do The Evolution”, e outros sucessos referentes aos 23 anos de carreira do grupo.

Pearl Jam
(foto: Cambria Harkey)

Todos os shows do Lollapalooza começaram pontualmente na hora marcada, com o Pearl Jam não foi diferente, iniciando às 20h45 e terminando às 23h, sendo a apresentação mais longa do evento. Nesse período o vocalista Eddie Vedder, aos 48 anos de idade, mostrou que ainda tem preparo físico para segurar a atenção do público com muito rock’n’roll.

Também teve tempo para manifestar suas concepções políticas. Em português, Vedder se pronunciou sobre os direitos dos homossexuais. “Esta semana foi uma grande conquista para os direitos dos homossexuais nos Estados Unidos. Parabéns São Paulo por respeitar o casamento entre pessoas do mesmo sexo”. Em português também se lembrou do vocalista Joey Ramone. “Toda vez que eu venho no Brasil lembro do meu amigo Joey Ramone”, e logo depois começaram a tocar “I Believe Miracle”, um dos sucessos da banda Ramones.

É claro que nem todo mundo que foi ao Jockey Club queria assistir a apresentação dos caras do Pearl Jam. Aliás, o que não faltou foi opções de bandas para conferir. O Kaskade, por exemplo, também encerrou o festival no palco Butantã. No mesmo dia, o público pode sentir a energia contagiante do The Hives, Kaiser Chiefs, Puscifer e outros estrangeiros. Os grupos nacionais também marcaram presença neste dia como Vanguart, Lirinha + Eddie e Vivendo do Ócio. A banda Planet Hemp tocou no palco Butantã e agitou muito o público com uma apresentação contagiante de BNegão e Marcelo D2.

Planet Hemp

Mesmo com falhas desgastantes, como as grandes filas nos banheiros e para comprar os tíquetes de alimentação e bebida, a lama e o cheiro forte de chorume, o Lollapalooza 2013 se consagrou como um grande evento no Brasil agradando os fãs e os organizadores. Prova disso é que os produtores já anunciaram as datas para o Lollapalooza de 2014 em São Paulo: será nos dias 18, 19 e 20 de abril, novamente no feriado de Páscoa. Agora é só aguardar as próximas novidades.  


Nenhum comentário:

Postar um comentário