sábado, 30 de novembro de 2013

Evento Porto Alegre: 7º Encontro de Arte de Matriz Africana

Kleber Lourenço.em Jandira
(foto: Felipe Ribeiro)


Realiza-se de 4 a 8 de dezembro, o VII Encontro de Arte de Matriz Africana, promovido pelo Caixa-Preta com o objetivo de ser uma janela panorâmica para a produção artística negra no Brasil. O Grupo se afirma não somente como um núcleo de produção teatral, mas como um polo irradiador de ações no campo da cultura negra contemporânea, promovendo atividades como o Encontro de Arte de Matriz Africana, a Revista MATRIZ, a primeira no Brasil especializada em artes negras, além do trabalho de produção, formação e pesquisa no campo teatral, tendo produzido espetáculos como Hamlet Sincrético, Antígona BR, O Osso de Mor Lam, entre outros. As atividades terão lugar no Teatro Renascença e Sala Álvaro Moreyra, ambas no Centro Municipal de Cultura (Av. Erico Verissimo, 307), em Porto Alegre. 

A cada ano é eleito um eixo temático para o Encontro. Este ano temos como foco a performance e a dança negra. Na primeira edição foi a aproximação dos grupos de teatro e dança do Estado; na segunda, a noção de locais de trabalho dos núcleos como espaços quilombolas; na terceira edição o conceito de compartilhamento das experiências e na última edição o eixo escolhido foi o teatro negro e suas linguagens contemporâneas.

Entre os nomes que já estiveram no Encontro desde sua primeira edição pode-se citar: Carmen Luz, Rubens Barbot, Hilton Cobra, Rodrigo Santos, Gustavo Melo, Débora Almeida, Iléa Ferraz, (RJ), Rui Moreira, Gil Amâncio (BH), Edson Cardoso, Cristiane Sobral (DF), Luiz de Abreu, Maria Gal, José Fernando Azevedo, Sidney Santiago (SP), Toni Edson (Florianópolis), Evani Tavares, Ângelo Flávio (Salvador), Júlio Moracen (Cuba) Daniel Amaro (Pelotas), Cia Os Crespos (SP), Kleber Lourenço (Recife), Wagner Carvalho (Alemanha), Oliveira Silveira, Baba Diba de Yemonjá, Grace Petersen, Sirmar Antunes, José Carlos dos Anjos, Loma, Iara Deodoro (RS), entre outros.

Outro aspecto importante do Encontro, bem como, da própria trajetória do Caixa-Preta  é dar acesso e visibilidade a um público que não está presente em outras produções e eventos, especialmente os dedicados à reflexão artística. Se considerarmos a quantidade de pessoas negras que frequentam o Encontro já confirmaria sua legitimidade, mas ele abarca públicos diversos e forma plateias. Busca criar uma rede solidária entre os diversos grupos e artistas espalhados por todo território nacional, propiciando o debate sobre uma política cultural que garanta a continuidade e aperfeiçoamento das ações realizadas pelos grupos e a sobrevivência destes e da manutenção de suas investigações estéticas. Trata-e de uma ação que vem demonstrando sua eficiência e afirmando seu papel como instrumento de reflexão sobre a cultura  e identidade nacional e, especialmente, às artes cênicas.

Este ano, o Caixa-Preta oferece as seguintes atrações:

A abertura, dia 4 de dezembro, às 20h, no Teatro Renascença, ficará a cargo de NASCIMENTO, da Companhia Rubens Barbot, bailarino gaúcho radicado no Rio de Janeiro há mais de duas décadas. O solo apresentado pela Companhia terá Eder Martins em cena e direção e coreografia de Gatto Larsen.

BLEM, BLEM, BLEM, da Taltex – Cuba apresenta-se na quinta, 5 de dezembro, 21h, na Sala Álvaro Moreyra. A montagem conta a história de um percussionista cubano, rumbero – tocador de rumba – que faz uma viagem do Oriente (sur) ao Ocidente(norte) de Cuba, recriando sua formação musical através das contingências que a vida lhe proporciona. Seu objetivo fundamental é ser famoso e para isso emigra para Havana, a capital cubana.  Ali, se enamora de uma jovem, até sofrer a decepção de uma separação. 

Na sexta, 6 de dezembro, às 21h, na Sala Álvaro Moreyra, apresenta-se BATUQUE, TUQUE, TUQUE, espetáculo poético-musical com as atrizes Vera Lopes e Pâmela Amaro, com poemas de Oliveira Silveira.

RECEITA, dia 7 de dezembro, às 21h, na Sala Álvaro Moreyra, é uma coreografia preciosa, que nasceu da parceria de dois grandes talentos da dança brasileira: Henrique Rodovalho e Rui Moreira. Rodovalho é um coreógrafo de Goiânia/GO, que colaborou para construir a identidade do Grupo Quasar, hoje uma das companhias mais importantes do Brasil. MOREIRA é um bailarino especial, paulistano radicado em Belo Horizonte/MG, que desenvolveu uma importante e esplendorosa participação no Grupo Corpo/ MG, e hoje dirige a Rui Moreira Cia. de Danças. No início de 2002, Rodovalho e Moreira se reuniram para criar RECEITA, um estudo que contrapõe o procedimento culinário à arte de dançar, compondo uma bem-humorada metáfora para o exercício de composição.

JANDIRA, da Visível, Núcleo de Dança, PE/SP é um espetáculo de dança com o bailarino pernambucano Kleber Lourenço. Ele já esteve na quinta edição do Encontro com Negro de Estimação e no Porto Alegre em Cena. A obra apresentada este ano, JANDIRA, é um espetáculo solo que realiza em pesquisa a junção de princípios conceituais de linguagens artísticas específicas: teatro, dança e performance, partindo da literatura como construção dramatúrgica. E obtém como resultado de cena a fusão estética destas linguagens. A apresentação será no dia 08 de dezembro, às 19h, na Sala Álvaro Moreyra, seguida de bate-papo com o público. 

Haverá uma exposição comemorativa aos 7 anos de Encontro de Arte de Matriz Africana, no Saguão do Centro Municipal de Cultura, durante o período de realização do Encontro.

Ainda ocorre, na quinta, 5 de dezembro, às 18h, na Sala Álvaro Moreyra, uma palestra com a pesquisadora Leda Martins, “Performance Negra, Experiência, Pesquisa e Ação”. Ela é autora de A Cena em Sombras/Perspectiva e Afrografias da Memória/Perspectiva-Mazza.

No dia 6 de dezembro, às 19h, na Sala Álvaro Moreyra, haverá o debate “Produção Cultural, Diversidade e Mercado de Trabalho”. Participam gestores públicos, artistas e produtores, que discutirão o mercado cultural numa perspectiva de inclusão étnico-racial.


Ressalta-se, por fim, a realização da oficina “O Corpo Brincante”, ministrada pelo bailarino e coreógrafo Kleber Lourenço. A oficina de dança contemporânea terá como foco a investigação corporal e a reflexão das poéticas do corpo e da cena, no diálogo com as tradições populares do nordeste brasileiro: danças populares, folguedos, etc. A oficina será realizada nos dias 6 e 7 de dezembro, das 14 às 17h, na Sala Álvaro Moreyra. Os interessados em disputar as 20 vagas devem enviar e-mail para grupocaixapreta@yahoo.com.br e devem ter no mínimo 16 anos, além de disponibilidade para trabalho físico e experiência comprovada em teatro, dança ou performance. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário