sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Peça sobre relacionamentos na era digital é apresentada em versões hetero e homossexual no Rio

Igor Angelkorte e Chandelly Braz


Podemos ter 821 amigos no facebook, 1.500 seguidores no twitter e 735 e-mails na caixa eletrônica, mas com quantas pessoas nos relacionamos de fato? Esse questionamento reflete diretamente a Geração Y, conhecida como a geração do milênio e da internet. Segundo especialistas, eles querem dar sentido à vida, e rápido, enquanto fazem outras tantas coisas ao mesmo tempo.

Muito se tem discutido sobre como as relações afetivas de nosso tempo acompanham o ritmo da sociedade do consumo. Vivemos num ambiente de inconstância, onde nada mais é duradouro, tudo se renova rapidamente.

A montagem retrata uma geração que cresceu acostumada a resolver todas as questões do cotidiano através da web e não seria diferente com o amor. Através de um site de encontros, dois estranhos iniciam um relacionamento casual, de vínculos afetivos flexíveis, sem garantias ou laços rígidos. O que a peça [des]conhecidos apresenta não é apenas uma história de amor, mas sim, uma história sobre o amor no novo milênio.

Formada por atores entre 22 e 26 anos e refletindo sobre sua geração com o olhar de quem enxerga a juventude de dentro, [des]conhecidos, em cartaz na Sede das Cias a partir de 12 de janeiro, narra a história de um jovem casal em busca do modelo ideal de relacionamento.  Com texto e dramaturgia de Igor Angelkorte (no ar na novela Além do Horizonte, da TV Globo, no papel de Marcelo) a peça retrata a história de dois jovens que, através de um site de encontros, iniciam uma relação casual, sem garantia ou laços rígidos. No caminho esbarram em suas fragilidades e inseguranças e passam a questionar seus conceitos sobre o amor.


[des]conhecidos tem versão homossexual

Desde 2012, a peça ganhou também uma versão interpretada por dois homens. O espetáculo, originalmente encenado pelos atores Igor Angelkorte e Chandelly Braz, também conta com Samuel Toledo em uma versão alternativa. Nesta, Toledo e Angelkorte entram em cena com o mesmo texto e elementos cênicos para mostrar que não há distinções entre as dinâmicas de comportamento abordadas pela peça em casais héteros ou gays.


Sobre a Probástica Cia de Teatro

Fundada em 2011, pesquisa a construção da dramaturgia através de improvisos direcionados por objetivos e ações concretas. A finalidade é criar uma identificação da platéia com a cena através de uma linguagem muito simples, desarmada, sem truques de interpretação. Em caráter de processo colaborativo, texto e encenação são criados simultaneamente a partir de experimentos práticos com os atores propostos pelo diretor em diálogo direto com o dramaturgo. Seu primeiro trabalho, [Des]conhecidos (2011), aborda as relações amorosas contemporâneas, tendo como principal referência o livro Amor Líquido, do sociólogo polonês Zigmunt Bauman.


FICHA TÉCNICA
Elenco: Chandelly Braz, Igor Angelkorte e Samuel Toledo
Atriz stand-in: Lívia Paiva
Direção e dramaturgia: Igor Angelkorte
Diretores assistentes: Samuel Toledo e Lívia Paiva
Direção musical: Antonio Ibrahine e Samuel Toledo
Músicos: Guilherme Menezes, Rafael Macedo e Samuel Toledo
Cenografia: Mathias do Valle e Gabi Windmüller
Iluminação: Diego Diener
Figurino: Luiza Fardin
Comunicação visual: Fernando Nicolau
Fotografia: João Julio Mello
Concepção e direção de arte: Fernando Nicolau
Produção de fotografia: Luiza Fardin
Colaboração artística: Felipe Barenco, Diego de Angeli e Lavinia Bizzotto
Produção: Marcela Casarin e Rilson Baco
Realização: Probástica Companhia de Teatro
Produção: Mãe Joana Filmes e Produções


SERVIÇO

Temporada: 12 a 27/01
Horário: domingo e segunda, às 20h
Obs: aos domingos, a versão homossexual; às segundas, a heterossexual
Ingressos: R$30,00
Local: Sede das Cias (Rua Manuel Carneiro, 12 – Escadaria Selarón/Lapa – Fone: 21 2137-1271)
Bilheteria: 1h antes do espetáculo
Classificação: 16 anos
Duração: 80 minutos
Capacidade: 60 lugares
Gênero: comédia dramática

Nenhum comentário:

Postar um comentário