sábado, 7 de junho de 2014

Precioso e preciso: a música e a poética de Adriana Calcanhotto


Por Calila das Mercês,
de Salvador


Ela e o violão são o suficiente. O mês de maio em Salvador foi encerrado com os Olhos de Onda de Adriana Calcanhotto. A apresentação intimista aconteceu no último sábado (31) no Teatro Castro Alves totalmente lotado. Entre águas e marés de poesia que permeiam seu trabalho, Calcanhotto revisita sucessos da carreira, além de trazer referências e homenagens a alguns poetas e parceiros de composição, como Arnaldo Antunes e o poeta baiano Waly Salomão.

A apresentação foi preciosa e precisa, com leveza e simplicidade em todos os sentidos. Primeiro, que nesse álbum de 20 canções ao vivo, a cantora sozinha reafirma a sua habilidade em “segurar” o show apenas com sua afinada voz e o companheiro violão.

Músicas como Back to Black, de Amy Winehouse, e Me dê motivo (sucesso de Tim Maia) também foram incluídas em Olhos de Onda. As músicas, de um modo geral, dialogam com o aspecto marítimo, assim como as luzes e o figurino em tons azul e verde.

Adriana Calcanhotto, após aproximados 24 anos de carreira no cenário nacional, continua no hall das cantoras contemporâneas consagradas. A cada novo trabalho, une profissionalismo e técnica musical com a ternura e dedicação típicos daqueles que acreditam na arte que faz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário