sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Especial Caetano Veloso 73 anos

Este especial deveria ter entrado no ar exatamente nesta data no ano passado, porém naquele 7 de agosto de 2014 a internet em Macapá passou quase o dia todo fora do ar (na verdade, houve o rompimento de um ou mais cabos e o Amapá todo ficou com internet muito precário por semanas).  A muito custo, consegui no dia seguinte postar um texto que eu encomendara a Ramona Gemaque. Mas enfim, um ano se passou, estou em Salvador e hoje vai ao ar enfim esta homenagem a Caetano Veloso, nascido há 73 anos nesta data em Santo Amaro da Purificação (BA). 

Ao lado, um desenho meu que foi publicado no site Brasileirinho, creio que no começo de 2006, e retrata foliões em pleno Carnaval de Salvador no sentido Barra-Ondina (feito, portanto, um ano antes de minha primeira vinda à Bahia).

Listo a seguir os principais textos sobre Caetano que publiquei tanto no Brasileirinho quanto aqui no Jornalismo Cultural

  • 1990 - 25 Anos de Festivais - Esse raro poema-colagem meu (é, sou um poeta bissexto) foi escrito no começo de 1990, ano em que se celebrava o jubileu de prata do festival que revelou Elis Regina para o Brasil com "Arrastão" (Edu Lobo - Vinicius de Moraes). Nada menos de cinco músicas de Caetano são citadas, três só na estrofe inicial: A banda passa em disparada/ Atrás do trio elétrico./ É proibido proibir/ A questão de ordem:/ Alegria, alegria! Publicado originalmente n'O Arauto, um jornal xerocado que eu vendia em escolas em Bento Gonçalves-RS, foi depois republicado no site Brasileirinho e aqui no blog. 

  • Dezembro/1990 - O Disco Americano do Caetano - O texto publicado em 2003 no site Brasileirinho foi escrito a partir de um comentário que eu fizera na Rádio Revista, de Bento Gonçalves, por ocasião da chegada às lojas brasileiras do LP que Caetano gravara nos Estados Unidos em 1986. 




  • Abril/2004 - Purificados por Dona Edith do Prato - Eu estava em São Paulo em 16 de abril, num dia interviagens (chegara de Belo Horizonte e ia para Porto Alegre só no dia seguinte) e pude assistir este magnifíco espetáculo de uma artista baiana, amiga de dona Canô e que foi revelada por Caetano no polêmico CD Araçá Azul. Um trecho: O que se via no palco era aparentemente muito simples - um violonista, um percussionista com dois atabaques e um pandeiro, um coro de oito vozes - o Vozes da Purificação, formado por senhoras de Santo Amaro - (todos vestindo branco e descalços) e, sentada no centro do palco, numa cadeira de vime, dona Edith, tocando seu prato fundo de louça com uma faca sem ponta. Dito assim, parece pouco. É que às vezes as palavras são insuficientes para transmitir o que foi a energia que reinava no ambiente, por exemplo, quando cada uma das integrantes do coro mostrou seu samba no pé. 


  • 2/8/04 - A Passeata contra a Guitarra - De tanto ouvir gente fazendo restrições a Elis Regina por um dia na vida ter tomado parte nessa tal passeata contra a guitarra, resolvi entender melhor o assunto e constatei que a coisa não era bem o que parecia. Clique no link e entenda melhor ;) Caetano entra na história devido à sua não-participação na passeata (ele e Nara Leão, da janela, examinaram a folia). 

  • 7.2.05 - Caetanave - Em "Vamos Passear no Astral", música para o carnaval de 1975, Gilberto Gil "prometia": Caetanaves do ano passado vão pintar. Pra quem não sabe, a Caetanave existiu mesmo (mas não em 74, e sim em 72, primeiro carnaval de Caetano em Salvador ao voltar do exílio). Uma nova Caetanave saiu no carnaval baiano de 2014. 

  • 28.8.13 - E por falar em biografias - O tema "biografias" estava na ordem do dia: na véspera, Roberto Carlos, em entrevista ao Fantástico, mudou publicamente sua posição sobre biografias - até então, ele sempre fôra contra, como ficou célebre no caso da proibição do livro Roberto Carlos em Detalhes, de Paulo César de Araújo. A guinada de Roberto acabou dividindo o grupo Procure Saber, do qual Caetano Veloso também faz(ia) parte. Felizmente para todos nós, agora em 2015 o Supremo Tribunal Federal derrubou a exigência de autorização prévia para se biografar alguém no Brasil. 



  • 8.8.14 - Caetano Veloso, 72 Anos - eis o texto de Ramona Gemaque (a meu lado na foto registrada por Prsni Nascimento) que acabou sendo a única homenagem possível a Caetano no ano passado, e ainda assim com um dia de atraso. 



Antes de ganhar um especial para chamar de seu aqui no blog, Caetano já fez "participação especial" na homenagem que fizemos a Chico Buarque:









Completo a relação com dois textos de nossa colaboradora Calila das Mercês:










Nenhum comentário:

Postar um comentário