segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Opinião Cinema: Minions

Por Bianca Oliveira,
de Macapá


Sabe aqueles amarelinhos fofos que eram o alívio cômico dos dois filmes da série Meu Malvado Favorito (o primeiro de 2010 e o segundo de 2013)? Pois é, eles encantaram e chamaram a atenção de todos, tanto que ganharam um "filme solo", na era "Antes do Gru”, aliás, uma era antes mesmo até do seu bisavó. Não, claro que não fui assistir com uma hiper-expectativa  mas, enfim, a produção deveria ter aproveitado melhor todo o material que tinha em mãos.

O começo foca na evolução deles, a procura de um vilão perfeito em que eles pudessem ajudar. Eles tentaram, garanto a vocês, só que eles sempre atrapalhavam seus mestres, mesmo sem querer. Frustrados, acabaram desistindo dos seus sonhos até que os corajosos Kevin, Bob e Steve tomam a iniciativa de procurar um novo chefe e achar o sentido para sua existência. E aí eles encontraram a maravilhosa e temida Scarlet Overkill, maior vilã de todos os tempos e blá blá blá. A partir daí a história se desenrola.



A parte mais engraçada é o começo, até os adultos vão se divertir e se identificar, como quando  eles matam Drácula no dia do aniversário do vampiro ou quando atrapalham os planos de Napoleão Bonaparte. Mas é possível ver os Minions na explosão do movimento hippie, vendo o homem pisar na Lua, curtindo os Beatles, os Rolling Stones e por aí vai (aí já são coisas que dificilmente as crianças entenderiam). Mas o filme não consegue se sustentar, a qualidade vai caindo com o desenrolar da projeção. O roteiro de Brian Lynch, essa é a verdade, é fraco, preguiçoso e desestimulante. As piadas são batidas e bobas, as crianças até vão gostar mas será difícil os adultos gostarem.

A Scarlet foi dublada por Sandra Bullock, no original, e na versão brasileira, por Adriana Esteves - se puderem, assistam legendado, é menos frustrante. Mas, calma, nem tudo foi ruim. Uma dica é ver em 3D: a animação ficou muito boa, nisso eles capricharam mesmo, aí junta a fofura Minion e uma boa animação e olha aí, até que valeu ir assistir mesmo com esse roteiro. Outro ponto muito positivo foi a trilha sonora, sério, com direito a  The Doors, The Kinks, The Who, Jimi Hendrix (como ficar parada ouvindo "Happy Together"? Eu não consegui, me julguem hahaha).


Não é um grande clássico, algo que ficará marcado mas, como não ser cativado pela doçura trapalhada desses baixinhos do mal? Coisinhas divertidas, inocentes, atrapalhadas e que amam banana. Eu sou derretida por eles, por isso fui assistir (risos). Os personagens e situações deveriam ter sido explorados mais? Sim, claro, infelizmente o filme não seguiu o mesmo ritmo do começo ao fim. Mas com certeza as crianças vão adorar. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário