quarta-feira, 1 de março de 2017

Opinião Cinema: Estrelas Além do Tempo

Por Bianca Oliveira,
de Macapá






Você conhece Katherine G. Johnson, Mary Jackson e Dorothy Vaughan? É horrível saber que mulheres tão incríveis e importantes para a corrida espacial ficaram tanto tempo sem o devido reconhecimento. Baseado no livro Hidden Figures: The Story of the African-American Women Who Helped Win The Space Race, de Margot Lee Shetterly, o filme Estrelas Além do Tempo vem com  a proposta de mostrar o preconceito dessa época e os obstáculos que essas mulheres precisaram enfrentar para atingirem seus sonhos.
Antes de tudo é importante entendermos o contexto histórico: década de 1960, Guerra Fria, Estados Unidos e União Soviética no auge da corrida espacial. A NASA (Agência Espacial Americana) tinha os seus “computadores humanos”, mulheres negras que faziam os cálculos e análises de trajetórias. E é sobre essas mulheres que vamos conhecer um pouco mais, em especial três delas: Katherine Johnson (Taraji P. Henson), matemática brilhante, muito inteligente, viúva e mãe de três filhas; Dorothy Vaughn (Octavia Spencer), a primeira supervisora negra e mulher da NASA; e Mary Jackson (Janelle Monáe), uma sonhadora que pretende ser a primeira engenheira da NASA. Em áreas diferentes, mas atuando juntas, as três buscam o lugar que merecem, passando pelo machismo e pelo preconceito racial da época.



É indiscutível a importância desse tema, afinal, a segregação racial é algo que precisa ser discutido. Na época, negros e brancos tinham acessos separados para todos os ambientes: banheiros, bibliotecas, lanchonetes, ônibus... absolutamente tudo era dividido. E olhando dessa forma, já dá para imaginar quão grande era o campo que o longa deveria ter abordado, certo? Mas infelizmente, como tantos outros, o filme acabou sendo um “enlatado para o Oscar” cheio de limitações e desfechos confusos.
O diretor Theodore Melfi evita tocar de forma mais aprofundada no assunto, fica superficial, cheio de estereótipos, tudo muito cordial e simples. Claro que há momentos gritantes, mostrando que jamais se deve abaixar a cabeça, mas também se passa a mensagem de que você não precisa brigar pelo que quer nem nada, mas deve manter a postura. E isso, de fato, é o que mais incomoda. É importante também frisarmos a adaptação do personagem de Katherine: a cientista, na verdade, tem pele branca, mas por sua descendência africana era considerada negra. Provavelmente, a escolha da atriz negra foi mais para simplificar e não confundir a cabecinha dos espectadores, porém, esse seria um tema que mostraria toda a complexidade da sociedade em questões de raça.



Ainda com defeitos o longa consegue ter muito pontos positivos sim. As atuações são maravilhosas. Tarajii é perfeita, ela fica tão bem nas telas que dá vontade de nunca pararmos de vê-la. A direção de arte, o figurino e principalmente a fotografia são os pontos altos do longa. A recriação da atmosfera dos anos 60, cheia de cores e paisagens lindas, enche os olhos. A fotografia usou uma paleta mais cinza para o escritório, mostrando a seriedade e o ambiente hostil de lá, enquanto na casa das personagens foram usadas uma paleta mais verde, viva, com detalhes em vermelhos, eu realmente adorei! A trilha sonora de Hans Zimmer e Pharrell Williams (também produtor do filme) funciona bem com o contexto todo; não chega a ser das melhores, exagera em muita coisa mas não deixa de ser boa.
Enfim, mesmo com limitações, não podemos esquecer da importância desse filme: ele deu voz a essas personagens, reforçando a importância da representatividade. E nos fez refletir sobre valorização da mulher no mercado de trabalho. E só isso já ajuda e muito para que o público pense sobre tais assuntos e quem sabe, questione sobre muita coisa que acredita ser o certo, mas nem sempre é.




3 comentários:

  1. O filme começa com um belo arco inicial, focando no cotidiano profissional das três amigas e toda a luta para conquistarem seus reconhecimentos. Adoro ler livros, cada um é diferente na narrativa e nos personagens, é bom que cada vez mais diretores e atores se aventurem a realizar filmes baseados em livros. Adorei 7 Minutos Depois da Meia Noite, dos melhores filmes baseados em livros , porque tem toda a essência do livro mais sem dúvida teve uma grande equipe de produção. É muito inspiradora, realmente a recomendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradecemos sua visita e seu comentário, Emma. De fato muitos filmes se baseiam em livros, o que pode contribuir para que a pessoa que já gostou de ler a história possa descobrir novas nuances dos personagens nesta abordagem por uma nova mídia..

      Excluir
  2. Oi,Emma! Sem dúvidas, filmes baseados em livros ganham novas perspectivas, as vezes boas outras nem tanto; mas a literatura ligada a dramaturgia tem sido uma ótima união. Obrigada por dividir com a gente sua opinião ❤

    ResponderExcluir