quarta-feira, 26 de abril de 2017

Sobre o botão 'Gratidão' do Facebook (Ovelhas Desgarradas - 13)

Por um mundo com mais gratidão!


O Facebook surpreendeu o mundo neste domingo de Dia das Mães, oferecendo mais uma opção de botão 'Curtir': o "Gratidão", simbolizado por uma flor lilás. O novo botão foi lançado sem aviso algum (ao menos não vi nada a respeito, me corrijam se eu estiver falando uma grande bobagem). Nas poucas horas desde que o descobri, já é o botão que mais tenho usado nas postagens de amigos, e inclusive criei esta montagem que ilustra o post. 

Talvez a equipe de Mark Zuckerberg tenha buscado um substituto à altura para o botão 'Yay', que não chegou a ser lançado no Brasil, na leva anterior de 'reações'. O que se comentou à época é que as pessoas não estavam usando o 'Yay', que traduziria um certo encantamento com algo postado, porque não tinham entendido a função do botão (o que, a ser verdade, diz muito sobre a sociedade atual). Daí o caráter mais didático do atual botão, traduzido em uma palavra (à semelhança dos 'Curtir', 'Amei' e 'Triste'), e não uma interjeição (a exemplos dos 'Uau', 'Haha' e 'Grr'). 

Do muito que se fala diariamente, em todos os lugares, sobre o Facebook, boa parte versa sobre seu caráter 'viciante' e visando o lucro. O novo botão (como, de resto, seus 'irmãos' já disponíveis antes) me parece imune a estes "males". Pra começo de conversa, visar o lucro é o natural de toda empresa digna deste nome. Só não visam o lucro, a rigor, o governo e as ONGs - se bem que o primeiro deve zelar pela manutenção de superávit nas contas públicas, e as segundas também necessitam recursos para manter suas atividades, então buscar o lucro, por si só, não me parece algo tão condenável. Já a questão de vício é mais pessoal, cada um é que pode avaliar isto.

Evidente que não desconheço que há um direcionamento na timeline, que não chega a exibir tudo que é postado nas fanpages que curtimos (ao diminuir artificialmente a difusão, o Facebook busca lucrar com conteúdo pago, cabendo a cada página decidir se paga ou não. Eu, por exemplo, jamais fiz o que o site chama de 'impulsionar publicação', mas não condeno quem o faz, cada um decide como quer gerir sua vida).

Aproveitando que hoje é Dia das Mães, cabe lembrar outra condenação comum ao Facebook: o site saberia sobre cada um de nós mais que nossas respectivas mães. Bom, não que eu tenha procuração para defender o 'Face', mas vamos lá: o Facebook só sabe sobre você o que você informar a ele. Quando digo isso, costumo ouvir como resposta: Ah, mas é uma invasão de privacidade, eles usam essas informações para ficar direcionando anúncios pra gente

E qual o problema, pergunto eu? Jornal, revista, rádio, TV, outros sites, toda a informação que sempre consumimos na vida sempre esteve cercada por anúncios - e os filmes também estão recheados de patrocínios e merchandising. Faço com os anúncios do Facebook o mesmo que fiz com todos os outros desde sempre: ignoro-os solenemente (quando ainda assistia TV, deixava o aparelho mudo na hora dos comerciais). O Facebook não tem o poder demoníaco de forçar você a comprar o que você não quiser, nem mesmo de induzi-lo a clicar em um anúncio.

Eu ao menos nunca cliquei num anúncio no Facebook. Aliás, desde hoje de tarde só tenho clicado no botão 'Gratidão', pois entendo que é disso que o mundo precisa (e também por outro motivo: esse lançamento sem alarde, numa data comemorativa voltada para a família, pode ser uma ação que não ultrapasse o dia de hoje). Enfim, nunca pensei que iria dizer isso, mas:

- Gratidão, Facebook!

P.S. na madrugada de 10 de maio - Como eu havia mencionado no texto, havia o risco de o referido botão não passar de uma ação transitória, ligada apenas ao Dia das Mães. Confere: na primeira hora da madrugada de hoje (horário brasileiro), o botão de Gratidão sumiu do Facebook. Não durou 48 horas; assim como surgiu sem anúncio, desapareceu sem aviso. Uma pena. 

  • Making-off do texto - Meu 44º artigo para o LinkedIn, foi publicado em 8 de maio de 2016, abordando o tema que de fato centralizou todas as atenções no Facebook naquele domingo. Lido 87 vezes até hoje, na maioria por internautas de Macapá, Rio de Janeiro e São Paulo, com 4 "gostei". O botão de 'Gratidão' com efeito nunca mais foi liberado, mas até onde tenho conseguido perceber o Facebook cumpriu sua promessa de não excluí-lo das postagens onde ele foi utilizado. 
  • Atualização 8.5.17: Com a liberação, hoje, das Lembranças do Facebook de um ano atrás, pude comprovar que, de fato, onde o botão 'Gratidão' foi usado, as marcações foram mantidas. Parabéns, Facebook. Só falta agora liberá-lo de novo, agora pra uso permanente né.
  • Atualização 11.5.17:  Em meu Facebook pessoal, o uso do botão 'Gratidão' foi liberado novamente a partir das 19h30. :) 
  • Atualização 17.5.17: Em algum momento desta madrugada, o botão 'Gratidão' foi desabilitado novamente pelo Facebook. Ele segue aparecendo nas postagens onde foi utilizado. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário