quinta-feira, 18 de maio de 2017

E por falar em aposentadoria (Ovelhas Desgarradas - 23)

Passeata da Greve Geral de 28 de abril de 2017,
contra a proposta de reforma da Previdência
- Av. Presidente Vargas, Belém-PA


O presidente que quer que você contribua 49 anos para receber aposentadoria integral se aposentou aos 55 anos....de idade.

Hoje com 75 anos, Michel Temer é aposentado como procurador do estado de São Paulo desde 1996. Recebe por isso R$ 30.613,24 (valor referente a maio - mesmo descontado o Imposto de Renda, sobram R$ 22.082,70). Mais até do que recebe como Presidente da República - R$ 27.841,00. Somando os valores brutos de aposentado e presidente, são R$ 57 mil/mês, R$ 684 mil/ano.

Para comparar, o valor médio dos benefícios concedidos pelo INSS, em maio de 2016, foi de R$ 1.303,58 para os trabalhadores urbanos e de R$ 880,84 (ou seja, um salário mínimo) para os rurais. Nenhum destes, com a reforma da Previdência proposta por Temer, poderia se aposentar hoje com 55 anos.

Em entrevista a Miriam Leitão em outubro, Temer comentou sua aposentadoria precoce, querendo usá-la como justificativa para a reforma ora em tramitação:

"É interessante como o meu exemplo serve para revelar como há aposentadorias precoces. Passaram-se 20 anos e estou aqui conversando. Ainda consigo trabalhar. Naquele tempo não se pensava nisso, naquele tempo era natural, você tinha tantos anos de serviço ou de contribuição e se aposentava. Foi o que aconteceu comigo como procurador do estado. Mas há 20 anos atrás, o déficit da previdência não era o tamanho que é hoje. Hoje são R$ 100 bilhões, R$ 140 (bilhões) no que vem, R$ 180 (bilhões) daqui a dois anos."

Vamos analisar as ideias por trás desta citação:

1 - Ninguém sabia que há aposentadorias precoces, era necessário que Temer revelasse isso (ele chegou a dizer a Miriam: "Minha aposentadoria é uma revelação", como se falasse de um grande mistério)

2 - Há 20 anos, o rombo (ou 'déficit', como prefere Temer) da Previdência era menor do que hoje. O fato de haver um rombo de 100 bilhões hoje, produzido com as regras que estão em vigor, faz com que o presidente pense não em gerir melhor a Previdência para diminuir o rombo, mas sim em estender o tempo de contribuição - o que só posso ver como uma forma de punir o trabalhador pela má administração dos recursos feita pelo próprio governo!

3, para mim o mais grave - "Ainda consigo trabalhar. ....naquele tempo era natural, você tinha tantos anos de serviço ou de contribuição e se aposentava". Mas é essa a ideia-base de um sistema de previdência: você contribui X anos, comprova as contribuições, se aposenta e passa a receber pelos anos trabalhados! Porém nesse trecho da fala presidencial posso detectar uma visão condenatória à possibilidade de alguém ainda ter vigor físico, saúde etc etc e sair do mercado de trabalho (que aliás foi o que o próprio Temer fez ao se aposentar há 20 anos).

Tentando fazer uma leitura unificada do trecho, teríamos algo como: 'havendo um déficit gigantesco na Previdência, o trabalhador brasileiro não tem o direito de se aposentar numa idade em que ainda possa desfrutar de qualidade de vida".

Mas por qual motivo, fora resquícios feudais ou escravocratas, a população deve ser punida pela má gestão da Previdência, algo que cabe ao governo controlar?

Na visão presidencial, enquanto você tiver energia para trabalhar, e mesmo quando possivelmente já não a tiver, você deve estar trabalhando e contribuindo para o INSS, para que você conserte um problema que não foi você quem causou!

Belém, 19.12.16

  • Making-off do texto - Se eu houvesse planejado, não daria tão certo: este artigo que mostra a falácia da "Reforma Previdenciária" proposta por Michel Temer entra no ar um dia depois de o presidente ser incriminado em delação premiada da JBS, o que pode resultar em sua renúncia ou em um novo processo de impeachment. 
  • Meu 14º texto para o Digestivo Cultural, lido 892 vezes até hoje (meu segundo menos lido por lá, só perdendo para (ou seria 'ganhando de'?) O bom e velho formato site, republicado aqui anteontem. 
  • A foto que abre o post é inédita, não saiu na cobertura da Greve Geral que publiquei no blog Fabio Gomes Foto & Cinema nem em nenhum outro lugar.
  • Esta publicação encerra o resgate das "ovelhas" da minha coluna no Digestivo. Os textos que saíram este ano por lá já estão disponíveis em outros blogs meus. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário